CATEDRAL NOSSA SENHORA DE NAZARÉ


A “ditadura da urgência” e a espera em Deus

Os avanços tecnológicos aceleraram o ritmo de nossas vidas. Aceleração dos modos de vida, das mudanças sociais, das relações de trabalho e familiares. Cotidianamente, vivemos com o sentimento de uma jornada sobrecarregada onde se corre para efetuar aquilo que ao deitar restará a fazer. “É necessário alongar os dias”! Tornou-se frase comum. Temos “fome de tempo”! “Como o tempo passa rápido!” – alarmamo-nos. Nessa realidade, deparamo-nos com um aparente paradoxo: Como harmonizar a aceleração do ritmo de vida com a paciência necessária para o equilíbrio pessoal e humano? Apontaremos dois elementos de resposta a partir da fé cristã: a paciência como um ato de fé; e a espera como meio de construção de nosso caráter.

A paciência é um ato de fé
A Sagrada Escritura é travessada pelo tempo da espera. Na Carta de São Tiago encontramos a seguinte passagem: “Irmãos, sejam pacientes até a vinda do Senhor. Reparem o agricultor, como espera com paciência até receber as primeiras chuvas e as tardias, com a esperança do valioso fruto da terra” (Tg 5, 7-8).
Somos convidados a paciência e a esperar “a vinda do Senhor”. Essa vinda é a escatológica - o Senhor virá no final dos tempos; mas é também a vinda do Senhor para nos auxiliar, fortalecer, sustentar e abençoar ao longo de nossa vida.
Justamente neste ponto é onde surge um dilema: Por um lado, estamos geralmente apressados quanto ao atendimento de nossas necessidades; por outro lado, temos a sensação de que Deus não é tão apressado como nós. “Meu pensamento não é o pensamento de vocês, e os caminhos de vocês não são os meus caminhos (...) e meu pensamento está acima dos pensamentos de vocês” (Is 55, 8. 9).
Vemos que o tempo de Deus é diferente nosso do tempo que é cronológico. O tempo de Deus não é caracterizado pela sucessão de horas e de dias. O tempo de Deus é seu agir. Mas se Deus age sempre, por que temos que esperar?
Parece que passamos mais tempo da nossa vida a esperar que a receber. Mas não o passamos na ociosidade. Vejamos o exemplo de uma mãe: a mãe precisa esperar nove meses até ter seu bebê nos braços. Sua espera é ativa, com foco, é sobretudo, preparação. Antes desse tempo, a vida da criança requer cuidados especiais. Uma gravidez não poderia ser de dez meses ou de cinco meses? Poderia. Mas não é! “Deus viu tudo o que havia feito, e tudo era muito bom.” (Gn 1, 31).

A espera é pedagógica.
Esperar em Deus não é ato de passividade. É movimento. Requer foco, intensidade, concentração no objeto da esperança. A travessia do Mar Vermelho pelos filhos dos hebreus no caminho para a liberdade é um grande exemplo. Ao ver-se na situação limite de não poder avançar devido ao mar, os filhos de Israel tinha três alternativas: podiam sentar e esperar a destruição pelo exercito do Faraó; podiam retornar ao encontro dos egípcios pedindo a escravidão como punição ou lhes restava avançar, confiando na promessa de libertação feita por Deus, por intermédio de Moisés. O livro do Êxodo descreve a foto assim: “Os filhos de Israel viram os egípcios avançarem em perseguição (... ). Disseram a Moisés: Será que não havia sepultura no Egito? (...) O que é melhor para nós : ser escravos dos egípcios ou morrer no deserto? (...) Javé disse a Moisés: “Por que você está clamando por mim? Fale aos filhos de Israel que levantem acampamento” (Ex 14, 11-15). Em outras palavras, diga ao povo se ponha em movimento. Caminhe! ... e não desista! “Espere em Deus, seja forte! Em seu coração tenha confiança, e espere em Deus”! (Sl 27, 14).
Este salmo é uma oração de confiança. Na primeira parte, transparece o lado luminoso da fé: o sentimento da proximidade de Deus que irradia a vida e fortalece para enfrentar as dificuldade na vida. Na segunda parte, aparece o lado escuro da fé: Pede-se a coragem para os momentos difíceis.
Existe um ditado bem difundido, atribuído a Inácio de Loyola, que diz: Aja como se tudo dependesse de você, sabendo bem que na realidade, tudo depende de Deus. Esperar em Deus é um ato de fé. A fé tem duas dimensões: Reconhecimento e entrega confiante. Reconhecimento de que somos sustentados pelo amor de Deus, mesmo que suas promessas demorem a se cumprir. Entrega confiante como atitude paciente no objetivo de aprender a vontade do Senhor e o que Ele quer nos mostrar a fim de orientar nosso agir. Esperar constrói nosso caráter.

“Eu espero em Deus, minha vida espera, aguarda pela sua palavra” (Sl 130, 5)
Pe. Manoel de Jesus Monte da Costa





chrome_reader_mode

Notícias

Não perca nossos eventos e fique por dentro de tudo que será realizado em nossa catedral.

group

Pastorais

Conheça nossas pastorais e venha participar conosco dessa imensa família.

mood

Fotos/Eventos

Aqui você encontra as fotos e registros dos nossos eventos e festas realizados.

queue_music

Músicas

A maioria dos nossos cantos você pode encontrar aqui. Com ou sem cifra.